20140106

Calibrating 2014

"The global economy looks poised to display better growth performance in 2014. Leading indicators are pointing upward -- or at least to stability -- in major growth poles. However, for this to translate into reality policymakers will need to be nimble enough to calibrate responses to idiosyncratic challenges.
Consider the United States. Job creation has accelerated since last August. Household debt is now $800 billion less than at the end of 2008, due to liquidation or refinance at lower interest rates. The current housing recovery does not seem exhausted as demand is expected to outstrip the pipeline of housing starts this year. Non-financial corporations have plenty of cash, empowering them to respond to improved prospects. Finally, the agreement in Congress on the federal budget for 2014-15, together with the political weakening of the opposition to adjustments of the public debt ceiling, point to an easing of the fiscal drag that harmed the US recovery last year.
But even with these positive factors there is a challenge as the Federal Reserve starts unwinding its "quantitative easing" (QE), beginning this month with a reduction of US$10 billion in its monthly asset purchases (currently at $85 billion). Notwithstanding the limited size of this change -- when matched with the $2 trillion of assets currently held by the Fed -- as well as Fed's "forward guidance" signaling that basic interest rates will remain low for an extended period, the initially muted reaction in bond markets was followed by 10-year Treasury yields crossing the 3 percent mark at the end of 2013. As two-year yields also climbed, markets seem to believe that the Fed will be obliged to speed up the unwinding. The Fed thus must be sure to strike the right balance of actions and communication so as to avoid precocious interest rate hikes which could harm the recovery.
In the Euro-area, perceived risks of a currency breakdown and a financial and economic collapse have receded substantially. Despite sticky high levels of unemployment in crisis-ridden countries, the European Central Bank (ECB) forecast of 1.1 percent (GDP growth) plus 1.1 percent (inflation) for 2014 has been taken as a signal that the bottom of the crisis has been left behind.
The crisis still casts some shadows, however. The implementation of structural reforms in several member countries has fallen short. The public and private debt legacy in those countries still remains tall. Furthermore, the Euro-area institutional framework, which has now been fully recognized as essential, has not yet been refurbished enough. While the time horizon for tackling these issues will necessarily be long, there is a major immediate task to be faced by policymakers: the health check and prescriptions to which their banks will be submitted this year.
The vicious circle between fiscal fragility and national banks' balance-sheet deterioration that plagued crisis-ridden member countries has been broken, thanks to fiscal adjustment programs and, especially, the ECB's promise "to do what it takes" to impede a collapse. Nevertheless, the resurgence of bank credit to the private sector -- particularly to small and medium enterprises -- will be fundamental to consolidate the recovery. Such resurgence will only take place when banks are once again able to be funded and create credit at interest rates much lower than currently available. Therefore the Euro-area major policy challenge will be to calibrate the "asset quality review", stress tests, and new capital requirements making them tough enough to ensure that the exercise is credible, while simultaneously avoiding spooking markets.
China will also face the challenge of appropriately calibrating the implementation of itsstructural reform package. Higher penetration of non-state firms in several sectors, including the banking system, will require some slackening of regulation and phasing out interest-rate controls. Prior to that, however, the central government will need to rein in subnational finance and the "shadow banking" through which local governments have splurged on infrastructure and real estate spending in the last few years. Results from a public debt audit were released last month, showing that the debt of localities had risen 67 percent from the end of 2010 to June 2013. In that context, another important consideration when looking ahead is to remember the interbank market turmoil of December, which only ended when the Central Bank of China conceded to providing liquidity. This illustrated that authorities will have to step cautiously -- a stone at a time -- to cross the transition river, if an economic growth collapse is to be avoided.
Meanwhile, tax policy will be a key policy challenge in the case of Japan. Aggressive fiscal and monetary stimuli implemented during Prime Minister Abe's government have jolted Japan's economy out of its deflationary lethargy. However, Japan's public debt has climbed to levels around 250 percent of GDP. As part of the solution, the consumption tax will be hiked to 8 percent from 5 percent in April. There is also a scheduled decision in next November on whether to additionally increase it to 10 percent as of October 2015. It will be crucial that such a higher tax burden does not countervail the overall anti-deflationary direction of macroeconomic policy.
Finally, there is the case of emerging economies coping with the actual unwinding of QE.Last summer -- in between Ben Bernanke's testimony to the US Congress in May, when he alluded to the eventual unwinding of the currently third round of QE, and the Fed meeting in September postponing its beginning -- the so-called "fragile five" (Brazil, India, Turkey, Indonesia, and South Africa) underwent massive capital outflows and large currency depreciation. Some analysts referred to that turmoil as a potential revival of the emerging-market crises of the 1990s. Those countries shared in common the presence of large, liquid, and integrated financial systems, as well as current-account deficits associated with substantial capital inflows and currency appreciation since the beginning of the US "unconventional monetary policies."
Now that the unwinding is really starting, the baseline scenario is not one of a repetition of the turbulence, since changes in asset values, exchange rates, and investors' positions have not reverted. The unwinding is to some degree already priced in. On the other hand, four of the "fragile five" (Brazil, India, Turkey, and Indonesia) will have major elections in 2014. As they still remain vulnerable to sudden stops in capital flows, their macroeconomic performance will depend on the calibration of their macroeconomic policies and on political risks.
The bottom line is this: There is room for optimism about the global economy in 2014. The key is to temper this with caution given that the success of the global economy will hinge on policymakers' ability to strike the right balance in several key parts of the world". Texto by Otaviano Canuto - Senior Advisor on BRICS, Development Economics Department, World Bank

20131202

Obra e Construção é com a Oca Engenharia & Projetos


20130919

Tenha um Bom Dia de Trabalho!

Se a primeira impressão é a que fica, a maneira como você inicia um novo dia de trabalho pode dar o tom de todo o resto do expediente. 

Basta uma irritação aqui por causa do trânsito e um erro ali ao delimitar as prioridades para que as horas seguintes fiquem prejudicadas.

Mas é possível tomar algumas medidas logo no início do expediente para garantir equilíbrio e produtividade até o minuto final. 


Confira quais são os 7 passos fundamentais para ter um excelente dia de trabalho.
1 Tome café da manhã
Um excelente expediente começa muito antes de você sair da sua casa. Rejeitar a “soneca” do celular, tomar a decisão de acordar disposto e de se arrumar são atitudes fundamentais para chegar bem ao ambiente de trabalho.
Na lista de tarefas fundamentais para fazer antes de sair de casa (ou enquanto ruma para o escritório) está tomar café da manhã. Sim, isso mesmo. Pular esta refeição pode ter efeitos nefastos para seu humor, concentração e produtividade, afirma o doutor Artur Zular, diretor científico do Instituto Qualidade de Vida. 
“Se não, a pessoa vai trabalhar com hipoglicemia. As funções cognitivas ficarão prejudicadas. Pessoa com fome fica irritada, com dor de estômago ou de cabeça. Ele senta na mesa já ‘estragado’”, descreve o médico. 
Deixar para comer no trabalho também não é a melhor opção, diz o especialista. “Com essa tal “Lei de Murphy”, ele pode não conseguir comer. E a pessoa passa a se portar como vítima, quando, na verdade, faltou planejamento”, afirma. 
2 Chegue no horário (ou antes)
Pode parecer óbvio, mas muita gente se esquece desta premissa básica para o dia de trabalho. Quem chega atrasado, já chega “inadimplente”, brinca o doutor Zular. “O atraso gera uma condição psicológica desfavorável, você acaba se focando em questões não ligadas à carreira porque você está preocupado em se justificar”, diz Fernando Colella, da consultoria Café com Coaching.
Bem sabemos que imprevistos acontecem (é o trânsito que empaca, o ônibus que não passa ou o carro que não pega), mas é essencial se antecipar a cada um deles. Como? “Planeje chegar 15 minutos antes, aí você não precisará justificar nada, nem inventar”, afirma Zular. E se a disciplina é seu "calcanhar de Aquiles", veja neste vídeo como ser mais disciplinado. 
3 Fale bom dia e sorria
“Investe-se milhões em ações para melhorar o clima organizacional, mas quem realmente muda isso são os próprios colaboradores no dia a dia”, diz Zular. E isso começa desde cedo – com o real desejo de que o outro tenha um bom dia, afirma o pesquisador. E não se esqueça de sorrir neste percurso: “Cem músculos são mobilizados em um sorriso. O cérebro interpreta a mímica facial positivamente e o dia passa a ser diferente”, afirma o médico. 
4 Beba água
Enquanto o computador é ligado, aproveite para encher uma jarra de água e cuidar das suas questões fisiológicas. “A desidratação diminui a capacidade de trabalho, afeta o raciocínio, a crítica e a memória”, diz o médico. O ideal é sempre ter uma garrafa ou um copo à mão para ir se hidratando ao longo do dia. “Quanto você sente sede, já está com 5% de desidratação”, afirma Zular.
5 Deixe a mesa organizada
Mais um hábito para adicionar à rotina: agora, antes de deixar o escritório, deixe sua mesa em ordem. Isso fará toda a diferença no dia seguinte, dizem os especialistas. “Mesa desorganizada é um estressor”, diz André Caldeira, da Propósito.
6 Faça uma lista de tarefas 
Chegou a hora  de planejar seu dia. “Antes da ação, o primeiro passo é a organização”, afirma Colella. Para isso, comece listando o que ficou pendente do dia anterior. Depois, elenque as atividades urgentes e importantes, e por aí vai. 
A dica é definir quais são as prioridades e estimar o tempo de execução para cada uma delas. “Você tem que começar por aquilo que tem que ser feito, não pelo que é mais gostoso”, diz Colella. 
Mas não se esqueça de dar espaço para o imponderável. “Nosso planejamento deve ser flexível. Você precisa ter em mente que alguém pode interromper você. Então, é preciso ter esta margem de segurança de tempo na agenda”, afirma Alexandre Barbosa, autor do livro “Construa seus sonhos” (Editora Thomas Nelson). 
7 Aproveite o período em que você está mais focado
E o mais importante: não demore muito para “dar a partida” de fato no expediente. Muita gente chega no trabalho, mas leva um bom tempo para começar a trabalhar de verdade. No lugar de já focar na ação, há quem perca tempo atualizando status nas redes sociais, checando a vida alheia na internet ou, simplesmente, batendo um extenso papo no café. 
“Com isso, elas perdem o período que tem mais foco. Depois das 10h, por exemplo, todo mundo já chegou e as chances de dispersar são maiores”, diz Barbosa. Captou? Então, boa sorte no dia de hoje. 

20130618

Brasil 2013: Onde a palavra de "Ordem" é "Desordem"...


É a maior mobilização popular do Brasil desde as Diretas Já de 1985, contra a Ditadura Militar e os protestos pedindo o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello, em 1992.

"O povo acordou!"
"Vem pra rua, vem, contra o aumento"
"Saia do sofá e venha protestar"
"Sem vandalismo"
"Olha que legal, o Brasil parou e nem é Carnaval"
"Que coincidência, não tem polícia, não tem violência"
"Brasil, 'vamo' acordar, o professor vale mais que o Neymar"
 (Trecho de alguns dos gritos entoados nos protestos que tomaram as ruas de São Paulo, no dia 17 de junho de 2013)

A insatisfação que levou milhares de estudantes às ruas em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e várias grandes cidades nos últimos dias, em manifestações que resultaram em inúmeros atos de violência, depredação e confrontos com a polícia, vai além do descontentamento com a elevação na tarifa do transporte público. E no momento em que o Brasil está sob os holofotes às vésperas de receber grandes eventos internacionais, o movimento que se iniciou nas redes sociais ganha corpo e se espalha por outras capitais do país e do mundo.

Brasília: - cerca de 10 mil manifestantes; Ocupação de marquise do Congresso Nacional;

São Paulo:  - aproximadamente 65 mil caminharam pela marginal Pinheiros e principais avenidas da zona sul, centenas de estudantes se posicionaram em frente do Palácio dos Bandeirantes;

Rio de Janeiro: - 100 mil pessoas protestaram na avenida Rio Branco, centro do Rio e uma minoria baderneira depredou a ALERJ - Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro;

Belém: - mais de 13 mil participaram de atos de apoio aos manifestantes do sudeste.

Veja as estimativas de participantes das manifestações nas demais cidades do país:



Desde a semana passada manifestantes, em sua maioria jovens e estudantes, têm protestado contra o aumento de 20 centavos nas tarifas do transporte público em São Paulo --foi de R$ 3 para R$ 3,20. 

Autoridades descartam rever o preço e argumentam que o reajuste, inicialmente previsto para janeiro, foi postergado para junho e veio abaixo da inflação.

Para a professora Angela Randolpho Paiva, do Departamento Ciências Sociais da PUC-RJ, o movimento emana de uma insatisfação difusa de estudantes. "É um grupo de estudantes, inclusive estudantes de classe média que estão na rua num momento de uma catarse mesmo. Quer dizer, os 20 centavos foram estopim para muita insatisfação com o que está acontecendo, e tomara que usem essa energia para outros protestos."

"Eu diria que tem uma insatisfação quando você vê que esses eventos [Copa das Confederações e Copa do Mundo] têm prioridade número um na gestão pública. Todo dinheiro é gasto nisso", disse. "Uma coisa é certa, o poder das redes sociais. Isso não pode ser desprezado em hipótese nenhuma. Essa questão da passagem é muito inesperado ter tomado essa proporção", disse.

Faixas contra o uso de dinheiro público nas obras da Copa, protestos contra a PEC 37 (proposta de mudança de legislação que tira o poder de investigação do Ministério Público), contra corrupção e violência, por educação melhor e redução do custo de vida e pedindo melhores serviços públicos em geral. "O povo unido jamais será vencido", entoava um coro de milhares de manifestantes na avenida Faria Lima em São Paulo.

DESTAQUES DA IMPRENSA INTERNACIONAL

A imprensa internacional deu bastante destaque aos protestos que reuniram milhares de pessoas em várias capitais brasileiras na última segunda-feira (17). 

O jornal francês "Le Monde" chegou a reservar sua manchete para as manifestações. Sem dar um motivo único às manifestações, os meios estrangeiros citaram insatisfações com os gastos da Copa do Mundo e lembraram que tudo começou com o aumento do preço da passagem de ônibus em São Paulo.  Além disso, a imprensa internacional, citando ou não manifestantes, comparou o caso brasileiro com o que vem acontecendo na Turquia, onde os protestos começaram contra uma medida do governo de remodelar uma praça em Istambul e se tornaram grandes atos contra o premiê Recep Tayyip Erdogan.

Guardian

Para o jornal britânico "The Guardian", em sua edição online, o Brasil teve uma das maiores noites de protestos "em décadas", quando mais de 100 mil pessoas tomaram as ruas do país para "expressar frustração contra os abusos da polícia, os péssimos serviços públicos e os altos custos da Copa do Mundo."
O "Guardian" lembrou que os protestos coincidem com o começo da Copa das Confederações e chegou a falar com um manifestante de 19 anos, morador da favela da Rocinha, no Rio.
"Estamos aqui porque odiamos o governo. Eles não fazem nada pela gente", disse ao jornal Oscar José Santos.
O jornal inglês também afirmou que as demonstrações de rua estavam sendo comparadas com as manifestações da Turquia e lembrou que, em São Paulo, pessoas foram presas por posse de vinagre, o que o "Guardian" chamou de "Revolução do Vinagre".

New York Times

O "The New York Times" afirmou que as maiores cidades do Brasil viram na noite de segunda-feira (17) "uma exibição notável de força para uma agitação que começou com pequenos protestos contra o aumento das tarifas de ônibus".
Para o jornal americano, a manifestação inicial "evoluiu para um movimento mais amplo com a participação de grupos de indivíduos revoltados com uma série de questões, incluindo o alto custo de vida no país e os luxuosos novos projetos de estádios".
O "New York Times" também comparou os protestos com o que vem ocorrendo na Turquia e disse que no Brasil as manifestações "se intensificaram depois que uma dura repressão policial na semana passada surpreendeu muitos cidadãos".

"A violência veio do governo. Esses atos violentos por parte da polícia provocam medo e, ao mesmo tempo, a necessidade de continuar protestando", disse Mariana Toledo, 27, estudante de graduação na Universidade de São Paulo, ouvida pelo jornal.

Le Monde

Os protestos pelo Brasil viraram a manchete do jornal "Le Monde", publicado na tarde desta terça (18) na França. Em sua capa, o jornal traz "Agitação social se espalha. O 'Milagre Brasileiro' está em pane."
No principal texto do jornal, o "Le Monde" lembra que as manifestações são as maiores "desde o fim da ditadura, em 1985, e dos protestos contra a corrupção do ex-presidente Fernando Collor, em 1992".
O jornal diz que "há várias reivindicações" entre os manifestantes e destaca a multidão de jovens que tentou invadir o Congresso Nacional, em Brasília.
"Gastar tanto dinheiro para esses eventos esportivos quando temos necessidades para a educação, saúde e habitação, simplesmente não é possível", disse Thiago Ribeiro, 23 anos, estudante de comunicação no Universidade de Brasília, em entrevista ao jornal.
Para o jornal, Dilma é vilã de uma revolta contra "despesas suntuosas da Copa do Mundo de 2014".

El País

O site do jornal espanhol "El País" também traz em sua manchete os protestos brasileiros. Segundo a reportagem principal, os manifestantes "saíram do Facebook e tomaram as ruas do Brasil como não se via desde o fim da ditadura, quando o povo exigia democracia, ou os protestos contra o presidente Fernando Collor".
Segundo o jornal, nas ruas viam-se cartazes de todos os tipos e por todas as causas. "Desde o clássico 'faça amor, não faça guerra' até 'liberdade para Assange' e um em inglês escrito 'não venha ao Mundial'".
Assim como várias outros veículos estrangeiros, o "El País" também lembrou dos protestos turcos e entrevistou um grafiteiro em São Paulo que disse: "os 20 centavos aqui são o parque de Istambul".
Em outro texto, o "El País" afirmou que a tarifa de ônibus, em São Paulo, é a mais cara do mundo e uma das mais ineficientes.
O correspondente Juan Arias, em um terceiro texto, afirmou que o governo está perplexo com os protestos. Para o espanhol, o sonho vivido na noite de segunda pode acabar em "pesadelo pelos gestos de violência de alguns grupos extremistas".

NOTA DA PRESIDENTA DILMA

"Essas vozes, que ultrapassam os mecanismos tradicionais, os partidos políticos e a própria mídia, precisam ser ouvidas", afirmou a presidenta Dilma Rousseff.

"A minha geração sabe quanto isso nos custou. Eu vi ontem um cartaz muito interessante que dizia: 'Desculpe o transtorno, estamos mudando o país'. Quero dizer que meu governo está ouvindo essas vozes por mudanças", disse a presidenta.

A presidente louvou o caráter pacífico das manifestações, inclusive de parte da polícia, mas observou que os "atos isolados de violência contra pessoas e patrimônio" deveriam ser punidos. "Toda violência é destrutiva."A mandatária disse ainda que "a grandeza das manifestações de ontem comprovam a energia da nossa democracia".

Fontes: Folha de São Paulo, Le Monde, The Guardin, The New York Times, El País, Futura Press, Jornal da Globo, Jornal do SBT e Plantão da Band TV. Edição de textos by Clayton Fernandes.

20130611

Conecta Associados oferece oportunidade única...

 

Invista em empreendimento residencial e industrial com área especial de 530 mil metros quadrados próximo a Aduana de Sorocaba, do Aeroporto de Viracopos e da cidade de São Paulo!
 

20130516

Angelina Jolie se destaca como maluca fora de si?

Quando jovem, a atriz norte americana Angelina Jolie se cortava com navalhas e caía na drogas. Agora adulta, resolve pagar "médicos" picaretas para anestesiá-la e retirar os seios no bisturi. Estrela de cinema, em uma década se transmutou de anabólica Mulher Maravilha em Mater Dolorosa. Se arrasta esquálida por tapetes vermelhos e aeroportos, carregando a pobre humanidade, versão multicor de chupeta, embaixatriz da ONU, metade do casal mais famoso do mundo.
 
Decidiu realizar uma dupla mastectomia preventiva. Explicou os porquês em um artigo para o New York Times. Não existem porquês. Tirar as duas mamas saudáveis é loucura varrida. O texto rescende a sensatez. É macabro. Ela diz que revelou o segredo para inspirar outras mulheres. É irresponsável. O New York Times se rebaixa a pasquim, publicando o texto. Que, como tudo em Hollywood, parece produto de especialistas em relações públicas. E é. Mesmo que o press release seja mesmo de autoria de Jolie.

Angelina tem 37 anos e saúde perfeita. Tem 100% de chance de morrer de alguma coisa algum dia. Todos nós carregamos este e aquele gen que nos predispõem a isso e aquilo. Hoje muitos de nós têm acesso a exames que podem detectar essas doenças em seu início, e podemos tratá-las a tempo. Seria desejável que toda a humanidade tivesse acesso a medicina preventiva gratuita. Jolie, milionária, pode pagar os melhores exames e médicos do mundo. Qual a medida racional, em casos como o seu? A maioria dos especialistas recomenda mamografia e ressonância magnética anuais, simples assim. Se o câncer der sinal, dá pra matar no ninho. Jolie decidiu pelo que havia de mais agressivo e invasivo e explosivo.

Câncer de mama é o câncer mais comum entre mulheres. Como evitar? Não há garantias, mas os maiores especialistas em câncer repetem sempre as mesmas recomendações: dieta balanceada, alguma atividade física, pouco álcool, peso adequado à altura e idade, autoexame, mamografia anual. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, dos EUA, 98% dos cânceres de mama não têm nenhuma relação com mutação do gen BRCA-1. O exame para detectar o problema custa, lá, três mil dólares. Entre cinco e dez por cento dos casos são hereditários, conforme o grupo étnico (é mais comum entre mulheres nórdicas do que asiáticas, por exemplo). O resto é consequência da vida que a mulher leva. Uma mulher qualquer - você - tem em média 12% de chance de ter câncer de mama em algum momento da sua vida.

Repetem que Jolie tomou sua decisão baseada nos melhores dados científicos. Em seu artigo ela diz: "reconheço que existem muitos médicos holísticos maravilhosos trabalhando em alternativas à cirurgia." Faz parecer que a terapia normal é a mastectomia dupla preventiva, quando é uma aberração, e que as alternativas é que são o resto. E não existe medicina holística. É bruxaria, charlatanismo, e se Jolie reconhece sua eficácia, não tem a menor noção do que é ciência. 

Garantem que temos que respeitar e aplaudir sua coragem, leio. Não e não. O que ela fez e escreveu pode e deve ser discutido e contestado. É figura pública, a mulher mais pública do mundo, e usou sua celebridade para influenciar a opinião das mulheres mundo afora. Quantas mulheres com a mesma mutação de Jolie não se sentirão tentadas, ou pressionadas, a seguir o seu exemplo?

Angelina Jolie não tem que ser beatificada. Como toda santa, não existe. É uma construção de relações públicas, é uma atriz. Interpretava o papel da supermulher, Lara Croft, gata valente. Hoje posa como exemplo de mulher perfeita - excelente profissional, mãe dedicada, elegância personificada, desprendimento absoluto, casamento perfeito com o homem perfeito, Brad Pitt. 

Ah, e agora corajosa combatente do câncer. O tratamento não era necessário, porque Angelina não estava doente. Sua decisão foi baseada em coisa nenhuma. Sua divulgação da maluquice é péssima influência sobre as mulheres do mundo, com câncer de mama ou não. A recepção da imprensa foi escandalosamente leniente e irresponsável. Angelina é cretina. Mais idiotas são os que a tomam por heroína. Texto por André Forastieri. Edição By Ton.  

20130317

O mundo acolhe o Papa Francisco I

Vaticano - Diante de milhares de pessoas, que abarrotaram a Praça de São Pedro, o papa Francisco I (o pontífice escolheu ser chamado de Francisco em homenagem a Francisco de Assis, frade italiano) exaltou, no primeiro Ângelus de seu pontificado, a misericórdia e a paciência de Deus.

E fez uma crítica dizendo que são os homens é que se cansaram de pedir perdão. "Um pouco de misericórdia muda o mundo, o torna menos frio e mais justo", declarou Francisco I.

Dezenas de milhares de pessoas acolheram Francisco com uma prolongada salva de palmas quando saiu à janela de seu apartamento.

A eleição de Jorge Bergoglio como novo papa, foi conquistada por mais de 90 votos de cardeais de todo o mundo, a escolha de um latino-americano (Argentino) é inédita na história da igreja romana. By Ton.


20130211

Papa surpreende o mundo com a renuncia do pontificado

O Papa Bento XVI,  renuncia ao pontificado do Clero Romano, a última notícia de resignação do Clero aconteceu mais de 600 anos atrás, com o pontífice Gregório XII, em 1415.

A renúncia oficial se dará no dia 28 de fevereiro de 2013 e o conclave dos arcebispos mundiais (cinco deles são brasileiros), antes do término do mês de março; de acordo as informaçõs da Associated Press. A justificativa a decisão tem a explicação de Bento XVI, a alegação são as condições de saúde física e pisicológica frágeis para o pleno comando e direção do ministério da Igreja Católica Apostólica Romana.

Atualmente a Igreja Romana tem aproximadamente um bilhão de seguidores, ao redor do mundo. As opiniões estão em cisão: isso parece ser uma hipotética estratégia, com o objetivo de desviar a atenção e exposição do atual pontífice, e o alvo das acusações aos escândalos de pedofilia e corrupção nos bastidores da organização e administração na Igreja Católica. 

Bento XVI, que sempre esteve a direita da defesa e negação de tais ações na Igreja Católica, fez declarações públicas em relação as discussões levantadas em torno as denúncias, instauração de inquéritos, investigação e acariação de provas relacionadas aos processos contra o clero e a Igreja Católica, as infrações e crimes citados. 

Dias antes o anúncio da resignação efetuado e promulgado no Vaticano, nessa segunda feira, 11 de fevereiro de 2013 às (20hs horário oficial com o fuso de Roma), Bento XVI, divulgou a seguinte nota, via Twitter - "TODOS SOMOS PECADORES!". Eis que esta afirmação levanta uma série de teorias, inclusive conspiracionais. By. Ton.

20130203

Condição de Existência...

Conscientizar a sociedade sobre o que é sustentabilidade, visando o despertar de práticas sustentáveis nas organizações empresariais, governamentais e instituições sociais, levando assim a cristalização da responsabilidade socioambiental com a inclusão de formação de redes de relacionamento que sejam capazes de contribuir para uma sociedade sustentável e com o interesse de participação pró-ativa e co-responsável para manutenção de um mundo melhor. É a missão do Planeta 10-Especializado em produção, criação, transmissão ao vivo, divulgação e consultoria de programas de TV e projetos sobre sustentabilidade! By Ton. www.planeta10.com.br

20130104

Network e Negócios...

Em 2013 o network de business dá boas vindas para a Conecta Associados, empresa de consultoria com ênfase em soluções de negócios, projetos e empreendimentos privados e governamentais. 


A Conecta Associados aproxima clientes, prestadores de serviços e fornecedores de bens de capitais, consumo e mercantis, tem como diferencial a efetivação da interlocução de negócios com empresas, governos e instituições civis e militares.

Formada por equipe de profisisonais de diversos setores da economia é especializada em prestação de serviços de consultoria e assessoria de negócios, investimentos, estudos de mercado, serviços jurídicos, indicadores financeiros e de sustentabilidade, certificação Green Building, projetos de REED, educação para a sustentabilidade e neutralização de carbono. 

Atua na intermediação de atores dos setores da economia, com o suporte de empresas parceiras e profissionais executivos e operacionais. Conecta Associadas, a empresa signatária de agências da ONU e com expertise em network empresarial e inteligência social. www.conectaassociados.com.br . By Ton.

20121216

Liberdade de expressão para os ricos!

“Liberdade de expressão só é garantida para quem tem dinheiro”, reclama criador do blog Falha de São Paulo. Com liminar que prevê multa diária de R$ 1.000, o blog Falha de São Paulo segue fora do ar e sem veicular conteúdo. Lino Bocchini idealizador da página que satiriza a Folha, diz que, no país, a liberdade de expressão não é garantida para todos. "A censura é proibida em tese, mas, na prática, ela só é garantida para quem tem dinheiro", afirma Bocchini.

Em visita ao Brasil o relator especial da ONU para a Liberdade de Expressão, Frank la Rue, recebeu das mãos de Bocchini um dôssie sobre o caso e o mesmo não entendeu os motivos de o jornal ter aberto o processo e Rue afirmou que "o humor incomoda mais do que a crítica". 

Há dois anos, a página que parodiava o veículo foi tirada do ar, pois a Folha alegou que os autores usavam logo, fontes, conteúdo e fotos que caracterizavam o projeto gráfico do impresso. Para Lino, a questão não foi bem essa. "Criamos a página para criticar a postura da Folha, que se diz apartidária, mas faz jornalismo partidário. Eles têm preferências políticas muito claras. Não acho isso ruim. O errado é ser hipócrita falando que é imparcial", argumentou.

De acordo com as informações, o relator vai analisar os documentos entregues por Lino a ele e, provavelmente, se pronunciar sobre o assunto. Uma das ideias do criador do Falha com está ação é que os veículos convencionais aborde o tema em pautas. "Ninguém fala sobre o assunto porque existe muito corporativismo nas redações", conclui Bocchini. Fonte: Comunique-se. By Ton.

20121107

Reeleição de Obama anima mercado financeiro mundial

quadro de cotações - bolsa de valores - ações 
Os mercados acionários do Planeta denotam índices de valoração com a reeleição do presidente norte-americano Barack Obama.
O democrata derrotou adversário republicano, Mitt Romney ao conseguir 303 delegados no colégio eleitoral na terça-feira, contra 270 necessários para a vitória. Romney conquistou 206 delegados.

Agora, com mais quatro anos na Casa Branca, o primeiro desafio de Obama será evitar que o país caia em nova recessão por conta do chamado "abismo fiscal". "As duras negociações sobre amenizar o impacto do 'penhasco fiscal' estão à frente, o que continuará sendo a principal preocupação dos mercados financeiros" afirma a equipe do Danske Bank, em relatório. Fonte: Infomoney. By Ton.

20121013

Brasil e Reino Unido assinam acordos de cooperação..

No mês de outubro, ao visitar o Brasil, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, assinou uma série de acordos de cooperação bilateral com a presidenta Dilma Rousseff. Entre parcerias que envolvem as áreas econômica e cultural, os acordos firmados no setor de educação surgem como uma boa notícia para todos os brasileiros que já estão no exterior e também para aqueles que pretendem deixar o país para estudar e aprimorar a carreira com uma experiência universitária internacional.

No âmbito do Programa Ciência sem Fronteiras, foram assinados três acordos. Um deles amplia para 10 mil o número de estudantes brasileiros que serão beneficiados com bolsas para estudar em universidades do Reino Unido até 2015. 

Outro acordo firma uma parceria entre Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e BG Group para o desenvolvimento de pesquisas por alunos de doutorado das duas universidades, com bolsas financiadas pelo grupo britânico. 

Já a Universidade de Brasília (UnB) e a British Petroleum (BP) assinaram convênio com objetivo de desenvolver estudos e pesquisas na área de exploração de petróleo e gás, especificamente na Bacia do Rio Parnaíba.

Existem 1.101 bolsistas brasileiros estão estudando no Reino Unido – 691 para graduação-sanduíche, 166 para doutorado-sanduíche, 75 para doutorado pleno e 169 para pós-doutorado. Como muitos brasileiros que estudam aqui têm passaporte europeu, não é possível saber com exatidão a quantidade de estudantes que vem do Brasil. Mas, de acordo com dados da instituição britânica Higher Education Statistics Agency, há cerca de 2 mil estudantes brasileiros em universidades do Reino Unido. Fonte: Brazilian Post. By Ton.

20120912

Planeta 10 - Educação para a Sustentabilidade

Entender a comunidade, a cidade, o país e o mundo em que vivemos e aprender cidadania, deve fazer parte do universo pedagógico do Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública de Educação. A educação é um direito de todo cidadão, e é denotada como fator de desenvolvimento social e econômico, e como instrumento de inclusão social, com vistas à construção de uma sociedade mais justa e igualitária, nos termos da legislação nacional.

O Planeta 10 é um projeto que ajudei a escrever, como executivo de gestão em sustentabilidade e signatário do Pacto Global das Nações Unidas, com olhar especial e foco na abordagem de temas educacionais de práticas de sustentabilidade para as escolas e, portanto, realizamos videoaulas socioambientais em moção de apoio à igualdade de gênero, o empoderamento da mulher, à economia verde, à educação inclusiva, à cultura e ao combate a corrupção e à redução da pobreza.

O projeto que estou aqui apresentando, por ora denominado Planeta 10 Kids, resulta em divulgar, informar e multiplicar conhecimento, conscientizar e ensinar práticas sustentáveis sociais, ambientais e econômicas das comunidades envolvidas em questão; autoridades de governo, diretores de escolas, professores, alunos e familiares; através de videoaulas de sustentabilidade no formato DVD e por ilustrações de Gibi Didático. By. Clayton Fernandes.

Divulgue o seu blog!