20061011

Proteger é um ato de carinho

Em comemoração ao Dia das Crianças o pesquisador Paulo Sérgio Pinheiro, diretor do Núcleo de Estudos da Violência da USP, apresentará à Assembléia Geral da Nações Unidades um relatório global sobre a Violência Contra Crianças no mundo. A idéia do estudo global surgiu a partir de uma resolução da Assembléia Geral da ONU em 2002 e foi elaborado por meio de um processo participativo que incluiu questionários, consultas regionais, nacionais, e visitas de campos. Além de trazer uma visão geral sobre o assunto, o relatório aponta recomendações para lidar e prevenir a situação. Durante todas as consultas regionais realizadas, crianças descreveram a violência que sofreram e suas propostas para eliminá-las. Para Pinheiro as questões fundamentais do estudo visa destacar a necessidade do Estado e de setores da sociedade de "protegerem as crianças e responsabilizarem as pessoas que as colocam em situações de risco", conclui ele. A cidade de Sorocaba, 92 quilômetros de São Paulo, vivenciou um ato de crueldade contra uma menina de apenas oito anos de idade. A princípio pensou-se em um caso de sequestro infantil, portanto, toda a cidade se mobilizou para a localização de Kathleen Lucas dos Santos, com a distribuição de cartazes com fotos da garota entre veículos de comunicação (TV TEM - Globo local, SBT, Jornais de circulação regional entre outros), escolas, bares, restaurantes e até mesmo no sistema de transporte coletivo do município. Mas infelizmente após infindáveis buscas pela polícia e população local, o corpo de Kathleen, que estava desaparecida desde 7 de setembro, foi encontrado num terreno baldio, no último dia 30. A família acredita que ela foi vítima de violência. A mãe, Creuza Apolinário, de 43 anos, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, disse ter certeza de que a filha foi assassinada. "Ela estava bem de saúde e foi achada daquele jeito." Chorando muito, a mulher pediu justiça. "Tudo o que eu quero é ver na cadeia quem fez isso com minha filha para que não aconteça com outra criança", completa ela. O caso de Kathleen é um meio a milhares que ocorrem pelo mundo afora, mas que sirva de alerta e atenção nessa semana em que as crianças estão "mais" em evidência devido ao seu dia especial (12/10). Ah! ia me esquecendo de citar aqui um breve texto em homenagem a menina Kathleen escrito por minha vizinha Marta; -" .. Eu nasci para ser grande, mas não me deixaram crescer! .. fui guerreira o bastante para vencer o ventre de mamãe,... .. eu nasci para brincar, traçar metas, vencer obstáculos, no entanto, encontrei-me com pessoas más e boas nesses oito anos de vida, ao qual não tive tempo de saber o que era malícia .. acreditei cegamente em um estranho, por não ver maldade no seu olhar, ... com isso o meu caminho se tornou curto.. agora estou ao lado do papai do céu, o único que me acompanhou em todas as minhas dores e medos quando estava em companhia do desconhecido que não me deixou mais voltar para a minha casa em companhia de mamãe e papai... ..". Eis aqui uma singela homenagem em forma de palavras as crianças que sofrem atos de violência. Texto by Ton.
*Acompanhe no link a seguir os principais pontos levantados pelo relatório da USP. www.envolverde.com.br e mais detalhes sobre o autor de tal estudo acesse www.mre.gov.br/CDBRASIL/ITAMARATY/WEB/port/autores/pspinh.

Divulgue o seu blog!