20061114

Florestas ainda podem sobreviver!!!

A revista Proceedings of the National Academy of Science divulga uma pesquisa mundial elaborada por cientistas dos EUA, Europa e Ásia, ao qual sugeriu que as espirais ambientais descendentes por ordem de desmatamentos em diversos países podem ser revertidas com uma combinação de política e sorte. Há duas décadas, os pesquisadores acreditavam que o desmatamento mundial era um resultado inexorável da industrialização e que o Planeta ficaria nu de florestas. "Esta é a primeira vez que documentamos que muitos países viraram a página, que gradualmente as florestas estão voltando", afirma Jessé Ausubel, pesquisador ambiental da Universidade Rockefeller, em Nova York. Com novas técnicas de análises, os cientistas chegaram a conclusão que o estoque de florestas se expandiu nos últimos 15 anos em 22 dos 50 países que mais têm florestas. Infelizmente no Brasil e na Indonésia a desvastação das matas ainda continuam em grande escala, segundo afirma o estudo da Science. Portanto, outros especialistas reagiram com cautela aos resultados de tal estudo. A falta de dados fidedignos sobre florestas em muitas partes do mundo significa que é difícil confiar nas "indicações positivas de mudança significativa" do relatório, afirmou Peter Holmgren, diretor de desenvolvimento de Recursos Florestais da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) em Roma. Ele observou que grande parte dos dados para o estudo foi fornecida pelos governos, que não fazem um bom serviço de medição das florestas, ou por fiscalização aérea, método notoriamente falho. "As tendências que eles observaram parecem verdadeiras, mas é difícil atestar como certas", comenta ele. "Há uma mudança no paradigma global? Realmente não sabemos ainda." Ele pediu aos países para fazerem inventários florestais sistemáticos. O Brasil, através da ministra Marina Silva, Ministério do Meio Ambiente, vem realizando um sério trabalho de combate ao desmatamento de florestas, inclusive propondo uma ação inédita junto aos que buscam preservar a natureza, conforme já mencionado pelo Mixideias, a tal compensação financeira para os países em desenvolvimento que obtiveram redução no desmatamento das florestas tropicais. Ainda segundo Peter Holmgren (FAO), em muitos países a reversão do desmatamento nos últimos 15 anos é em parte resultado de mudanças sociais que ocorrem quando os países se desenvolvem e ficam mais ricos, como o êxodo rural. Agora na China, na Índia e na Turquia, medidas de preservação ambiental envolveram sérias medidas de política pública, incluindo restrições de desmatamento, campanhas de plantio e promoção de agricultura sustentável, conforme anuncia a revista. A questão é confirmar plano a plano se de fato está havendo redução de desmatamento em tais países aqui citados. Como o próprio estudo diz que muitos dados são colhidos diretamente dos governos em evidência, fica sempre a dúvida se não há manipulação de informação, ou jogos de interesses internacionais, porque somente o Brasil é tão criticado? já que por aqui diversas ONGs atuam de forma contundente! Vale aguardar uma posição da ONU e das mesmas ONGs sobre a realidade ambiental da China, Índia e Turquia e não apenas crer em um estudo isolado. Fonte: Herald Tribune by Elisabeth Rosenthal in the New York. São Paulo By Ton.

Divulgue o seu blog!