20071014

Plano Estratégico de Defesa Nacional

Segundo o ministro da defesa, Nelson Jobim, a Amazônia estará inserida no processo de desenvolvimento do país, junto ao novo plano de defesa do governo federal. O Plano Estratégico de Defesa Nacional, está sendo comandado pelo ministro da defesa com apoio das três forças armadas, além de três consultores especiais de cada cadeira militar, Marinha, Exército e Aeronáutica, também integram o grupo a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, o secretário-executivo do Ministério Fazenda, Nelson Machado, e cinco ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ). "A Amazônia é um dos elementos importantes do plano estratégico de defesa nacional que o presidente [Luiz Inácio Lula da Silva] determinou [que seja criado]", afirmou Jobim. Em entrevista a Agência Brasil, o ministro da Defesa adiantou que o plano deverá ser concluído até setembro do próximo ano. "No entanto, haverá medidas intercorrentes no sentido que formos percebendo [a necessidade]. Estamos fazendo um levantamento global e já nos reunimos com cada uma das Forças Armadas, isoladamente, para definir as suas necessidades, as tarefas e os objetivos a serem desenvolvidos e os equipamentos que forem ajustados", informou.Ele defendeu a soberania do país sobre a Amazônia. "Nós é que vamos cuidar da Amazônia. Embora seja uma questão mundial, quem decide a forma de condução da floresta são os brasileiros. Não precisamos de recomendações. Os brasileiros sabem cuidar do que é seu", afirmou.O ministro também chamou a atenção para a importância do país compreender que os povos indígenas integram o Brasil e que "embora de etnias distintas, também são brasileiros".Jobim não descartou a necessidade de uma revisão dos atuais critérios de fiscalização das reservas indígenas. "Eu acho que há uma confusão muito grande. Lembrem-se que terras indígenas, mesmo em região de fronteira, estão sujeitas às regras [de fiscalização] fronteiriças. Não há que se pensar que terra indígena seja distinta do território nacional. É um elemento nacional, tanto que é de propriedade da União. De usufruto exclusivo das tribos indígenas, mas que tem de ser tratada como terra da União".Perguntado sobre a atuação de organizações não-governamentais (ONGs) na região, Jobim disse que é necessário examinar a questão. "Precisamos examinar. Temos de ter ONGs de toda a natureza. Ou seja, aquelas que colaboram efetivamente com o Estado e aquelas que eventualmente pretendem fazer outras coisas. Nós vamos levantar tudo", conclui o ministro da defesa. Fonte: Agência Brasil. By Ton.

Divulgue o seu blog!