20071030

Reforma Agrária, Democracia ou Anarquia?

Quais os conceitos de Democracia e Anarquia? No dicionário da Língua Portuguesa especificamente em Aurélio Buarque de Holanda encontramos:

REFORMA AGRÁRIA: Revisão da estrutura agrária dum país com a vista a uma distribuição mais eqüitativa da terra de um país.

DEMOCRÁCIA: ¹Governo do povo; soberania popular; -²Doutrina ou regime político baseado nos princípios e da distribuição eqüitativa do poder; ou seja, regime de governo que se caracteriza, em essência, pela liberdade do ato eleitoral, pela divisão dos poderes e pelo controle da autoridade e dos poderes de decisão e execução;

DEMOCRÁTICO: ¹Relativo ou pertencente à democracia; - ²Que se adapta ao interesse do povo – espírito democrático; - ³Que emana do povo, ou que a ele pertence, popular, representação democrática, governo democrático; - Que convive harmoniosamente com todas as classes sociais.

ANARQUIA: ¹Falta de governo ou outra autoridade capaz de manter o equilíbrio da estrutura política, social, econômica, etc.; ²Confusão ou desordem gerada por essa situação; - ³Negação do principio de autoridade; - Estrutura social em que não se exerce qualquer forma de coação sobre o indivíduo; - Ausência de comando ou de regras em qualquer esfera de atividade ou organização; - Qualquer organização, instituição, sociedade; - Desordem, desarrumação, bagunça; Desmoralização, desrespeito, avacalhação.

Segundo Paulo Villas Bôas – como anarquia é que se enxerga o MST juntamente com o governo. "De um lado uma bandeira que se fortaleceu, para o anseio mais do que justo de um povo sofrido, que só sabe produzir, sem acesso à educação, saúde, cultura, sem perspectiva de uma nova vida, muito sofrido, excluído e aliciado por mal intencionados e enganados devido a falta de uma política pública definida. Do outro lado um governo federal frágil, como tantos outros ao longo da história brasileira, juntamente com suas instituições que já acostumaram com a cultura de um país de governantes que não dão conta do recado. Primeiro deixam invadir, depredar, saquear, matarem-se, desrespeitarem o poder judiciário, avacalhar com a nação com respaldo de muitos que entendem defender Direitos Humanos, formando uma verdadeira desmoralização de tudo e de todos. E nós, o que fazemos? Nada! Apenas lamentamos ou apáticos, lemos, escutamos e assistimos os noticiários diários.

Chega de tantas reuniões, chega de tantas promessas, chega de tantos discursos demagógicos, há de haver uma solução, se é que querem uma solução. Vidas perdidas, dias parados nas indústrias que deveriam estar produzindo com respeito ao meio ambiente, fazendas produtivas saqueadas, devastando tudo o que por décadas, famílias e seus descendentes levantaram; florestas derrubadas sem nenhuma orientação técnica ambiental e produtiva, assassinos, ladrões, infiltrados planejadamente por suas lideranças regionais, tudo bem arquitetado, ações, com respaldos estruturais de locomoção e alimentação e até de arregimentação de novos militantes, sem nada o que fazer. Chega! Já passaram do limite, transcenderam o que era na verdade uma reivindicação justa, muito justa. Toda ação reverte numa reação, especialmente quando ilegal e violenta como é o caso de invasões de terras e eles não mais se intimidam com barreiras policiais, mandato de segurança, ordem de despejo.A guerra civil no país já foi instaurada há muitos anos sem ninguém tomar sequer uma atitude, pelo menos apaziguadora. Os excluídos e os injustiçados precisam de governantes honestos, competentes, com ações e visão de administradores de bens coletivos e não de líderes que os usam para atingir fins partidários ou pessoais", conclui Villas Bôas.
Fonte: www.expedicaovillasboas.com.br By Ton.

Divulgue o seu blog!