20090914

Brasil sai da recessão e tem alta de 1,9 no PIB

São Paulo - De acordo com o IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - a economia brasileira saiu da recessão técnica (dois trimestres seguidos de PIB negativo) e voltou crescer no segundo trimestre deste ano, com alta de 1,9% frente aos três meses imediatamente anteriores.

Para o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o governo vai trabalhar com um crescimento da economia estimado entre 4,5% e 5% em 2010, “o resultado do primeiro semestre ainda é negativo em 1,5% em relação a igual período do ano passado", mas disse que a estimativa para o segundo semestre é de um crescimento de 3,5% em relação ao mesmo período de 2008. “É apenas uma previsão, o resultado vai depender do comportamento da economia. Se confirmado, isso nos possibilitará um crescimento positivo de 1% neste ano”.
Para 2010, o ministro espera que o Brasil volte às taxas anteriores à crise. “Em 2010, recomeça o ciclo de crescimento iniciado em 2003 e interrompido pela crise”. Mantega reafirmou que o Brasil é uma das economias que têm se recuperado mais rápido da crise e que poucos países têm tido esse desempenho. “Com os dados que temos do terceiro trimestre, esperamos um crescimento ainda maior entre julho e setembro em relação ao segundo trimestre, entre 2% a 3%. Será um dos poucos países com crescimento positivo em 2009”, adiantou.
Papel da Indústria - O crescimento da nação está sendo alavancado pelo desempenho da indústria, que sofreu retrações no final do ano passado e no início deste ano e apresentou crescimento de 2,1% no segundo trimestre. Além da indústria, o consumo das famílias também apresentou crescimento de 2,1%, contribuindo para o resultado positivo.

Fatores - O consumo das famílias está positivo, assim sendo temos um saldo comercial positivo, maior do que o do ano passado, concomitantemente há solidez da economia. “Entramos na crise com a economia em crescimento forte”. As ações fiscais do governo, que representaram gastos de cerca de 1% do PIB em renúncias, especialmente na diminuição de impostos, com reflexo nos preços foi fundamental para a recuperação da economia, além de políticas monetárias, “ela implicou na redução da taxa de juros, no aumento da liquidez e da disponibilidade financeira da economia”. Os gastos com investimentos e desonerações representaram no Brasil o equivalente a 1% e 1,5% do PIB, enquanto a China gastou 13% e os Estados Unidos 6,7% do PIB.

O aumento dos gastos com a política anticíclica não leva o Brasil a um endividamento. “Ao contrário de outros países, que sairão endividados e com déficit público maior, o Brasil sai rapidamente e com situação fiscal melhor, com a dívida crescendo menos, cerca de 2%, contra cerca de 50% nos EUA. Além disso, nosso déficit nominal em 2009 será um dos menores do G-20. Saímos da crise com uma situação fiscal forte”. Segundo Mantega, as medidas de incentivo ao consumo devem se encerrar até o final deste ano. Os juros baixos e o aumento no crédito, no entanto, devem permanecer “Também continuaremos estimulando investimentos com taxas bastante baixas e condições favoráveis”, concluiu. Fonte: SECOM. Edição de entrevista com o ministro da Fazenda, Guido Mantega - Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. Edição Mix Ideias, By Ton.

Divulgue o seu blog!