20091221

Salve, salve excelentíssimo senhor presidente Lula

Com o fim da Conferência Internacional do Clima -COP15 das Nações Unidas, realizada semana passada em Copenhague, capital da Dinamarca, o mundo se vê paralisado em relação a ação do homem para reduzir emissões de gases nocivos ao clima do planeta. O meio científico questiona o aquecimento global através de grande escala da emissão de CO2 - Gás Carbono junto a atmosfera. Entretanto, meteorologistas renomados afirmam que o metano e enxofre são piores do que o carbono, em relação ao aquecimento do planeta.
Líderes políticos do mundo tiveram a oportunidade de registrar seus nomes nos anáis da história da humanidade, como heróis!! No mais, preferiram, por questões adversas - China, desenvolvimento exponencial da economia em pequeno espaço de tempo com uso de tecnologia industrial se nega a diminuir suas emissões de poluição. Brasil e Índia em plena era de crescimento de mercados e, com grandes parques naturais, se colocam como países interessados em contribuir com a redução de gases poluentes e, o Brasil (via vox do presidente Lula) propõe que se assine um documento com metas internacionais em que ricos e pobres compensem um ao outro com suas reservas naturais e econômicas concomitantemente -. Mas a tese documental para a COP15 é frustada pelo Congresso americano, que não está dando a devida atenção ao fator clima do mundo.

Hoje os congressistas da América focam o sistema de sáude da nação. Nem o carisma e política de articulação espontânea do presidente Obama - ao "se inserir" em uma reunião promovida pelo Brasil entre líderes da China, Rússia, Índia e África do Sul, surtiu o efeito desejado por centenas de milhares de ecologistas do mundo.

Ao ser indagado pela repórter Sônia Bride, "senhor presidente nós temos progresso?" Obama responde com gestos que o avanço da negocição da COP15 - as 20 horas da sexta feira 18 de dezembro de 20009 - fechamento de evento - é pequeno. Ou seja, pequeno sim, nulo não, como alguns querem afirmar.

Lembro que o Protocolo de Quioto da década de 90 sequer teve a presença do endosso dos americanos e chineses. Hoje o presidente Obama é favorável de que os EUA cumpram com suas corresponsabilidades de crescimento e poluição, mas está de mãos atadas pelo congresso. Tudo bem que tal forma de ser favorável na redução de emissão de gases tóxicos por parte dos americanos ainda é bem irrisório e tímido, pelo tamanho do estrago que a América fez com o planeta nos dois últimos séculos, assim como também a União Européia que destruiu seu ecossistema e ainda continua a usar tecnologias ultrapassadas para gerar energia a base de petróleo.

Coube ao presidente Lula a articulação política para que a COP15 não se perdesse em vãs palavras e discursos sem fundamentos. Não houve concenso, nem documento fechado como previam otimistas do clima, mas ao menos em 2010 o Brasil estará mais fortalecido ao chegar no México, assim quem sabe até lá os chineses e americanos não entram em acordo em relação a suas responsabilidades. Ah.. os europeus também precisam descer do salto alto e a caminhar com os pés no chão, uma vez que seu discurso midiático é bom pra ONG, enquanto que na prática só emperram ações que envolva a questão clima.

A Europa acabou, em anos de revolução industrial, com seu quintal e consequentemente com o meio ambiente. É justo que começem a pagar a conta? Fica aqui a interrogação; qual país deve iniciar depósitos bilionários no caixa do fundo internacional em prol ao planeta sugerido em Copenhague.

Salve o presidente operário que saiu dos rincões do Brasil para os braços dos chefes de estados do mundo. Brasileiros olhem as barbas do seu presidente, seus abraços e afagos estão acalentando gringos gelados e secos dos países ricos e poderosos. By. Clayton Fernandes.

Divulgue o seu blog!