20100225

Projetos públicos recebem capital internacional

A gestão do presidente Lula tem beneficiado Estados e municípios através de créditos de organismos internacionais que são destinados diretamente a projetos públicos.

O exemplo bem sucedido é o Pró-Cidades que contempla obras de infraestrutura como abastecimento de água, tratamento de esgotos e habitação que proporciona a melhora da qualidade de vida entre os cidadãos de baixa renda.

Segundo o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Alexandre Meira Rosa, os últimos três anos sinalizam que Estados e municípios se beneficiaram mais com a nova política de financiamento de projetos públicos com capital internacional.

Para Rosa, a mudança de política se deu por conta de uma nova conjuntura, pois grandes operações de empréstimo dos bancos multilaterais ao governo federal perderam o sentido devido ao ajuste fiscal e recuperação da capacidade financeira que resultou do crescimento econômico. Isso levou à revisão da estratégia de trabalho desses organismos internacionais no País, redirecionando recursos aos estados e municípios e às agências de desenvolvimento, como o BNDES. “Houve a necessidade de organização de gestão no nível subnacional e economicamente aconteceu uma mudança de cenário favorável, que permitiu os investimentos em infraestrutura”, afirma o secretário.

Desde 2003, foram aprovadas 348 cartas-consulta, com valor total de US$ 54 bilhões em financiamentos. Com relação à distribuição das operações de financiamento pelos entes da federação, o governo apostou no redirecionamento do fluxo de recursos externos para os estados e municípios. Assim, esses entes passaram a contribuir com cerca de 70% no total de projetos recomendados pela Cofiex, e com cerca de 41% em termos de valor financiado.
Editorial Blog - O Mixideias denota que a entrada de capital estrangeiro no Brasil vem ocorrendo em massa, desde o final da gestão FHC, seja ela, através agências internacionais ora representada pelas Nações Unidas, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional, União Européia, Fundações norte americanas, entre outras.Todo esse dinheiro continua movimentando o mercado doméstico nacional com a aceleração de projetos sociais e ações de desenvolvimento propostos pelo atual governo Lula; como o PAC - Plano de Aceleração de Crescimento - gerenciado pela Ministra Dilma Rousseff.
Grande parte do dinheiro disponível nos cofres públicos são de fundos perdidos até então nunca vistos por essas praias desde épocas de "vacas gordas" como nas gestões; de Vargas, de Juscelino e dos governos militares que passaram pelo executivo do Brasil.Imagem divulgação Cysneiros. Fontes: Secretaria da Presidência e Mixideias. By Clayton Fernandes.

Divulgue o seu blog!